• imprensacoreconsp

Dólar tem dia instável após disparada na véspera

Na quarta, moeda chegou a alcançar R$ 5,25, e fechou em alta de 3,79%, a R$ 5,1955.


O dólar opera com instabilidade nesta quinta-feira (19), após a disparada na véspera, com o dia um pouco mais tranquilo nos mercados financeiros. Ainda pela manhã, no entanto, a cotação da moeda voltou a subir. Os agentes também reagem ao corte na taxa básica de juros brasileira, definida na noite de quarta pelo Banco Central.


Às 10h19, a moeda norte-americana era vendida a R$ 5,1705, em queda de 0,48%. Na máxima do dia até o momento, chegou a R$ 5,2100; na mínima, a R$ 5,1445. Veja mais cotações.

Na quarta, o dólar – que chegou a alcançar R$ 5,25 – fechou o dia a R$ 5,1955, em alta de 3,79%, renovando recorde de fechamento nominal (sem considerar a inflação). Na máxima do dia, o dólar chegou a R$ 5,2575. No ano, a moeda acumula alta de 29,57%.

Na bolsa, o dia é mais uma vez de queda, acompanhando o persistente clima e nervosismo nos mercados globais, pressionados pelos temores de recessão em diversos países.


Cenário externo

Lá fora, as bolsas asiáticas voltaram a cair, repercutindo as fortes perdas nos mercados do Ocidente na véspera. Os preços do petróleo, por sua vez, mostram recuperação após três dias de fortes quedas, que levaram os preços ao menor nível em quase duas décadas.



  1. Corte nos juros

No início da noite de quarta, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduziu a taxa básica de juros da economia de 4,25% para 3,75% ao ano. A decisão do BC, tomada em meio à crise gerada pela pandemia do coronavírus, segue o exemplo de outros bancos centrais do mundo, como o Federal Reserve (BC norte-americano) e o Banco da Inglaterra.


O BC citou, como fatores para a decisão, a "desaceleração significativa do crescimento global", a queda dos preços das commodities; o "aumento da volatividade nos preços de ativos financeiros", e os impactos futuros do coronavírus na economia – que, segundo o BC, ainda não estão refletidos nos dados mais recentes da atividade econômica brasileira.


Especialistas ouvidos pelo G1 avaliam que a decisão do BC foi "ponderada", mas apontaram que ainda predomina um clima de muita incerteza, porque ainda é difícil prever até onde vai a desaceleração da economia provocada pelo avanço do coronavírus.



Fonte: g1.globo.com


21 visualizações
CoreconSP

Sediado desde 2006 no atual prédio, o Conselho Regional de Economia - 2ª Região - SP – CORECON-SP – conta atualmente com 20 mil inscritos, distribuídos entre a capital e as onze delegacias regionais. 

Email: imprensa@coreconsp.org.br

Telefone: (11) 3291-8700  Telefone: (11) 3291-8701 

Endereço: Rua Líbero Badaró, 425 – 14º. Andar – Centro – São Paulo–SP - 01009-905

Email Newsletter 
Pesquise no site

© 2019  por Econ360 Desenvolvimento de Negócios