• imprensacoreconsp

Dólar opera em alta de mais de 3%, vendido perto de R$ 5,20



O dólar comercial operava em forte alta nos primeiros negócios de hoje, e renovou o recorde acima de R$ 5,20, com os investidores preocupados sobre o impacto econômico do coronavírus e à espera da decisão de política monetária do Copom.


Por volta de 9h40, a moeda norte-americana avançava 3,97%, a R$ 5,201 na venda. Ontem, o dólar fechou em queda de 0,88%, vendido a R$ 5,002.


O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.


Novas intervenções do BC

O Banco Central volta a atuar nos mercados hoje, oferecendo leilões de linha com compromisso de recompra no valor de até US$ 2 bilhões. Intervenções semelhantes aconteceram ontem e na sexta da semana passada.


Expectativa de corte de juros no Brasil

Investidores aguardam uma provável redução na taxa básica de juros (Selic), que hoje está em 4,25% ao ano. O Copom (Comitê de Política Monetária), responsável por definir a Selic, está reunido desde ontem e deve anunciar a decisão até às 18h.


A expectativa é que novo corte nos juros seja adotado como mais uma medida para tentar estimular os mercados diante da pandemia de Covid-19. A iniciativa acompanharia a decisão dos bancos centrais das principais economias. O Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA), por exemplo, cortou no domingo os juros em um ponto percentual, para perto de zero, em uma decisão emergencial.


Estimativas pessimistas

A pandemia de covid-19 tem levado a projeções cada dia mais pessimistas para a economia mundial. O Credit Suisse cortou a estimativa de crescimento do Brasil de 1,4% para 0,0% em 2020 e passou a considerar em seu cenário-base uma recessão técnica na primeira metade do ano, com contração de 0,1% no PIB (Produto Interno Bruto) do primeiro trimestre e de 1,6% no segundo trimestre.


O banco também passou a projetar retração de 1,5% no PIB da América Latina neste ano, devido aos esforços de distanciamento social para contenção do coronavírus e à "rápida queda" de preços de commodities.


Recorde do dólar não considera inflação

O recorde do dólar alcançado no fechamento de ontem (16) considera o valor nominal, ou seja, sem descontar os efeitos da inflação, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos.


Levando em conta a inflação nos EUA e no Brasil, o pico do dólar pós-Plano Real aconteceu no fim do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 22 de outubro de 2002. O valor nominal na época foi de R$ 3,952, mas o valor atualizado ultrapassaria os R$ 7.


Fazer esta correção é importante porque, ao longo do tempo, a inflação altera o poder de compra das moedas. O que se podia comprar com US$ 1 ou R$ 1 em 2002 não é o mesmo que se pode comprar hoje com os mesmos valores.


Fonte: economia.uol.com.br


15 visualizações
CoreconSP

Sediado desde 2006 no atual prédio, o Conselho Regional de Economia - 2ª Região - SP – CORECON-SP – conta atualmente com 20 mil inscritos, distribuídos entre a capital e as onze delegacias regionais. 

Email: imprensa@coreconsp.org.br

Telefone: (11) 3291-8700  Telefone: (11) 3291-8701 

Endereço: Rua Líbero Badaró, 425 – 14º. Andar – Centro – São Paulo–SP - 01009-905

Email Newsletter 
Pesquise no site

© 2019  por Econ360 Desenvolvimento de Negócios